O BrasilCasinos é um intermediário entre os jogos de casino online e os seus usuários. Na nossa página, você encontra guias sobre os jogos e avaliações dos melhores casinos online e sites de apostas online. Sabendo que os jogos de azar podem se tornar uma atividade compulsiva e até mesmo um vício para algumas pessoas, consideramos que é nossa obrigação conceder aos leitores as informações essenciais sobre jogo responsável, dependência no jogo e contatos de órgãos especializados que podem ajudar.


O que é jogo responsável?

Os jogos de cassino e as apostas esportivas e em loterias são chamados de jogos de azar porque se baseiam exclusivamente na sorte. Embora os jogos exijam alguns conhecimentos e habilidades dos jogadores, em parte, o jogador continua dependendo da sua sorte para sair vitorioso.

O jogo responsável é a atitude com a qual o jogador aposta seu dinheiro nos jogos de azar e engloba alguns comportamentos e hábitos que tornam essa atividade uma atividade de lazer e divertimento saudável, que não prejudica a saúde e bem-estar físico, emocional e social do jogador. Vejamos alguns hábitos que o jogador deve ter para manter as apostas como uma atividade exclusivamente de lazer:

  • Não jogar ou apostar sob efeito de álcool ou outras substâncias que afetem sua capacidade de fazer decisões conscientes.
  • Manter o controle sobre o tempo que ele passa apostando e nunca ultrapassar um limite de tempo razoável.
  • O jogo responsável não compromete muito tempo do jogador e não interfere no seu orçamento mensal.

Como jogar ou apostar com responsabilidade

Enquanto os jogos de apostas e os cassinos são proibidos por lei no Brasil, a indústria dos cassinos e apostas online funcionam através de uma brecha na lei brasileira: por não serem estabelecimentos físicos, podem funcionar para receber apostas de jogadores de todo o mundo. Acessíveis em qualquer computador com internet e até mesmo em celulares, essas plataformas devem se responsabilizar por oferecer informações e precauções contra o jogo compulsivo.

Se você, algum parente ou conhecido seu apostam ou jogam online com frequência, é preciso se informar sobre os riscos do jogo e as atitudes dos jogadores compulsivos. Para manter o jogo uma atividade prazerosa, é vital jogar com responsabilidade. Abaixo listamos os principais fatores que os jogadores devem prestar atenção para manter um relacionamento saudável e responsável com os jogos e apostas online:

  • Ser maior de 18 anos. Crianças e adolescentes em nenhum momento devem ter acesso a jogos de azar.
  • Dispor de informações adequadas e corretas sobre os termos de uso dos casinos e sites de apostas online.
  • Conhecer o funcionamento dos jogos e apostas e as probabilidades de vitória.
  • Ver os jogos de azar como uma atividade divertida, e não um meio para ganhar dinheiro, evitar problemas ou sanar dívidas.
  • Conhecer seus limites (de tempo, de renda, etc.) durante o jogo.
  • Não jogar apenas para tentar recuperar o dinheiro perdido anteriormente.
  • Não apostar dinheiro que não tem.
  • Não apostar mais do que pode perder.
  • Não apostar dinheiro destinado a necessidades básicas, como alimentação, e outras despesas essenciais.
  • O jogo e as apostas são feitas com o conhecimento da família e amigos, e nunca em segredo.
  • Não passar a maior parte do seu tempo jogando ou pensando em jogar.
  • Apostar como forma de entretenimento.
  • Conhecer as regras dos jogos nos quais aposta e aumentar as chances de vencer com dicas e estratégias.
  • Ter consciência de que jogos de azar estão baseados na sorte e que perder faz parte e muitas vezes é inevitável.
  • Só faz apostas em casinos online seguros.

O que é o jogo compulsivo?

O jogo compulsivo é também conhecido como jogo patológico ou ludomania. Até algumas décadas atrás, a comunidade médica tratava os problemas de jogo como uma compulsão, e não como dependência ou vício. A partir da década de 1980, porém, o jogo patológico foi incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM, utilizado por especialistas) como um transtorno de caráter impulsivo, ao lado de outros transtornos parecidos, como a cleptomania.

Esse novo entendimento sobre os problemas associados ao jogo compulsivo foi despertado por crescentes pesquisas na área, que abrange também aspectos do tratamento e da prevenção do transtorno por médicos especializados em psiquiatria. Para aqueles que sofrem com o jogo patológico, o tratamento é vital, visto que ele pode prejudicar todas as esferas da vida social.

Pesquisas recentes apontam que problemas de jogo compulsivo são cada vez mais comuns atualmente, já que os jogos de azar estão, também, mais presentes, acessíveis e socialmente aceitáveis. Os estudos feitos até o presente demonstram que os jogadores patológicos e pessoas viciadas em drogas compartilham as mesmas predisposições genéticas para a impulsividade e a inclinação a situações “excitantes”.

Assim como pessoas dependentes de drogas precisam de doses cada vez mais altas para se sentirem satisfeitos, os jogadores compulsivos estão sempre em busca de riscos mais altos, que se traduzem em apostas que eles não podem pagar. Além disso, segundo as mesmas pesquisas, ambos passam por sintomas de abstinência quando não alimentam o vício.

O novo entendimento sobre o jogo compulsivo nos últimos anos fez com que os pesquisadores redefinissem o conceito de adição e vício. Antes, acreditava-se que a adição era exclusivamente a dependência de uma substância química. Hoje, a adição tem um caráter mais amplo, podendo ser definida como a busca por uma experiencia excitante e emocionante, mas que traz graves consequências.



Riscos dos jogos de azar

Os principais riscos que um jogador pode vir a sofrer durante sua experiência com jogos de cassinos e apostas online não envolvem os jogos em si, mas o jogador. É o jogador o responsável por avaliar sua atitude e postura perante ao jogo, é ele também o responsável por compreender o funcionamento e as regras de cada jogo e site, bem como entender a forma como o jogo pode afetar sua vida. Os próprios cassinos deveriam disponibilizar informações sobre os perigos dos jogos de azar, e alguns até oferecem seções que falam sobre o tema, mas a visibilidade ainda é pequena.

Não são todos os jogadores que enfrentarão transtornos de jogo compulsivo. Alguns fatores podem determinar ou não a inclinação ao problema:

  • Idade – os jovens tendem a ser mais suscetíveis a estímulos como esses.
  • Sexo – grande parte do público de cassinos é masculino.
  • Estado emocional – pessoas com transtornos emocionais ou psicológicos.
  • Histórico de vícios – alcoólatras ou viciados em drogas são mais propensos a se prejudicar com os jogos de azar, entre outros.
  • Estado financeiro – pessoas com dívidas tendem a estar desesperadas por uma solução fácil para os seus problemas, mas, geralmente, elas acabam se endividando ainda mais com as apostas.

Recomendamos que as pessoas mais predispostas a desenvolver problemas de jogo compulsivo não se exponham a riscos desnecessários. A prevenção é essencial nesses casos, pois esses indivíduos podem desenvolver quadros clínicos de jogo compulsivo facilmente.

Segundo os especialistas, existem 3 tipos de jogadores, definidos pelos seus comportamentos. Eles são:

  1. Jogadores sociais, que jogam sem apresentar problemas por ocasião do jogo.
  2. Jogadores que experimentam algumas consequências do jogo.
  3. Jogadores compulsivos, com transtorno do jogo, ou ludomania.


O que torna um jogador um jogador compulsivo?

O jogador compulsivo sente a necessidade e a urgência de continuar apostando em jogos de azar, como o bingo, mesmo estando ciente das consequências negativas das suas ações. Seu desejo de parar geralmente é esquecido ao sinal da primeira aposta. Muitos fatores podem contribuir para o desenvolvimento do vício, incluindo os itens citados acima, como o desespero por dinheiro, o gosto pela excitação das apostas, entre outros. Infelizmente, a identificação dos jogadores compulsivos e o tratamento podem ser difíceis e demorados.

Jogadores compulsivos normalmente perderão muito dinheiro com os jogos de azar e continuarão jogando com a desculpa de recuperar a quantia perdida. Infelizmente, mesmo quando eles conseguem recuperar algo, é muito inferior ao que eles já gastaram.



A relação entre os jogos de azar e os jogadores compulsivos

Os jogos de azar são baseados na aleatoriedade (sorte ou casualidade), o que envolve chances (nem sempre iguais) de vencer e perder. Ou seja, o resultado não depende muito do jogador, cuja experiência, prática e habilidade no jogo tem papel limitado. O mistério é o que torna o jogo tão apelativo a algumas pessoas.

Os jogos de casino sempre envolvem uma aposta, ou seja, um investimento financeiro por parte do jogador. A aposta implica o risco de perder o dinheiro investido ou ganhar uma quantia ainda maior. Atrás apenas do alcoolismo e do tabagismo, o jogo compulsivo afeta hoje cerca de 1% da população brasileira.

Mas qual a diferença do jogador para o jogador patológico? Como diferenciá-los? Geralmente, as próprias ações desses jogadores respondem essa questão. O jogador compulsivo não joga por entretenimento ou lazer, ele joga para recuperar dinheiro perdido, porque está viciado na emoção que o jogo desperta ou porque precisa do jogo para se distrair de outros aspectos da sua vida.



Os problemas de jogo compulsivo merecem atenção

Para quem é apenas um espectador desse cenário, pode ser difícil entender o comportamento de um jogador compulsivo. Afinal, se uma pessoa já perdeu tanto dinheiro jogando, como pode pensar que vai recuperar essa quantia através do jogo? Ocorre, muitas vezes, em pessoas que apresentam o transtorno do jogo, uma memória seletiva: elas esquecem todo o dinheiro que perderam e se lembram apenas das vezes em que saíram ganhando. Ou seja, se no final da semana o jogador compulsivo apostou 600 reais e ganhou 300, ele só se lembrará da quantia que ganhou, não percebendo que, na verdade, perdeu 300 reais. Ele apenas se dará conta de que o saldo é negativo quando faltar dinheiro para outras despesas.

Embora a medicina tenha demorado para reconhecer a ludomania como um quadro clínico de transtorno comportamental, hoje o jogo compulsivo é considerado uma doença bastante parecida ao alcoolismo e à dependência de drogas. Vale ressaltar que esse transtorno, como outros, não significa falta de caráter ou desejo de autodestruição – o transtorno tem tratamento e deve ser acompanhado por um profissional da área.

Na maioria dos casos, os danos causados pelo transtorno do jogo afetam não somente a vida financeira do jogador, mas também sua vida pessoal e profissional.



Sinais e comportamentos dos jogadores compulsivos

O transtorno do jogo acontece quando as apostas deixam de ser apenas por entretenimento e passam a tomar um rumo desenfreado. O jogador perde a noção do tempo e do dinheiro que perde durante as apostas, podendo passar mais de 12 horas apostando. Comportamentos associados ao jogo compulsivo afetam diretamente os relacionamentos e a vida profissional do jogador.

O jogador compulsivo terá bastante presente a memória seletiva, focando-se apenas nos seus ganhos e esquecendo suas perdas até as dívidas se acumularem diante dos seus olhos. Na maior parte das vezes, mesmo consciente de estar fazendo mal a si mesmo e a seus familiares, o jogador compulsivo simplesmente não consegue deixar as apostas. Esse comportamento pode ser explicado cientificamente, já que os problemas de jogo hoje são considerados dependências que agem no cérebro do mesmo modo que as substâncias psicoativas, como as drogas e o álcool. Ao apostar, o jogador compulsivo sente prazer, e é esse sentimento que causa a dependência. Aos poucos, a quantia apostada aumenta porque, quanto maior o risco, maior é o seu sentimento de prazer.

Pessoas com problemas de jogo tendem a esconder sua condição, mas geralmente o transtorno do jogo é facilmente reconhecível pelas ações e comportamentos do jogador. O jogador compulsivo tende a se comportar da seguinte maneira:

  • Troca outras atividades, que antes ele gostava, pelo jogo.
  • Aposta mais do que pode perder, às vezes fazendo dívidas para continuar apostando.
  • Aposta impulsivamente, pois ele gosta do risco.
  • Sua produtividade na vida profissional fica comprometida, já que ele passa seu tempo apostando ou pensando em apostar.
  • Seus relacionamentos e sua vida familiar se veem abalados.
  • Aposta para se sentir melhor sobre sua vida.
  • Inventa mentiras ou desculpas para esconder sua compulsão.
  • Aposta dinheiro destinado a necessidades básicas.
  • Faz apostas cada vez maiores, pois apostas pequenas já não o satisfazem.
  • Perde itens pessoais, como carros e imóveis, graças às dívidas do jogo.

Procurando ajuda e tratamento

Tartar o jogo compulsivo como uma adição não é somente uma questão teórica para os especialistas. Ao admitir o jogo como uma patologia, os psiquiatras descobriram que os jogadores patológicos respondem muito melhor à medicação e ao tratamento geralmente utilizado em casos de vício, em detrimento de terapias e estratégias para controlar a compulsão.

Dezenas de pesquisas também demonstram que outro possível tratamento para o vício em jogos de azar é a terapia comportamental-cognitiva, que pretende auxiliar os dependentes a entender e mudar seus pensamentos, hábitos e comportamentos. Os jogadores compulsivos, por exemplo, poderão aprender a questionar suas crenças irracionais no jogo e entender os prejuízos que ele trouxe à sua vida.

No entanto, para buscar tratamento é necessário que os jogadores compulsivos admitam o problema, em primeiro lugar. Cerca de 80% dos jogadores compulsivos nunca procuram tratamento, e grande parte daqueles que o fazem acabam voltando ao mundo das apostas, sendo importante, portanto, prevenir os relapsos e alertar para as possibilidades de tratamento.

Se você é um jogador compulsivo ou se você conhece alguém que seja, não hesite em procurar ajuda profissional. Abaixo você encontra informações de profissionais especializados no transtorno do jogo que poderão ajudar.



Grupos de suporte e orientação

Jogadores Anônimos:
Visite o Jogadores Anônimos

Programa Vira o Jogo:
Visite o Programa Vira o Jogo

Gambling Therapy
Visite o Gambling Therapy



Jogo responsável é jogo consciente

Esperamos que esse conteúdo tenha sido útil e informativo. Nós, do BrasilCasinos, ressaltamos a importância do jogo responsável e a magnitude dos problemas que podem ser causados pelos jogos de azar. Aposte sempre com responsabilidade, com consciência, com respeito por você mesmo e pelas pessoas à sua volta. Jogue para se divertir.